Morte: a última barreira dos videojogos?

O conceito de morte nos videojogos está tão firmado como um resultado negativo – a falha do resultado correcto – que é todo um processo para o jogador aceitá-la como um elemento natural da experiência.

Narrativa, interactividade e os videojogos

Há um certo orgulho nesta indústria no que toca a arte narrativa dos jogos, e a verdade é que este meio tem uma grande vantagem sobre a literatura e até mesmo sobre o cinema. É a interactividade que distingue os videojogos das demais formas de arte, algo que nenhum livro ou filme poderá oferecer, nunca … Continue a ler Narrativa, interactividade e os videojogos

O que me resta de 2017?

Enquanto um tipo chamado Trump (diz que é presidente ou assim) descarta as alterações climáticas como embuste chinês tal qual a pulseira de equilíbrio Power Balance, Portugal está em seca extrema. Fosse outro ano e poderíamos tentar esquecer-nos desta tragédia e de outras, focando-nos no que ainda está para vir para a nossa plataforma de … Continue a ler O que me resta de 2017?

Sobre a crítica e os videojogos

O papel de um crítico é algo ingrato. O termo é si soa depreciativo e a pessoa em si é pintada como pedante. O exemplo perfeito é o crítico de Ratatouille, um homem cujo apelido é Ego, com traços de abutre com uma máquina de escrever em forma de caveira num escritório com a geometria … Continue a ler Sobre a crítica e os videojogos

A extinção do jornalismo de videojogos

O mundo mudou. E o jornalismo mudou com o mundo. Em 22 anos de World Wide Web, a informação passou de agente activo a pedinte de rua, deixando a vanguarda e passando a correr atrás das tendências populares. Muda a direcção no fluxo da informação e a relação entre os jornalistas e o público. As … Continue a ler A extinção do jornalismo de videojogos

Gamer aos 30

Não é que ache que esteja velho, mas a poucos meses de fazer 30 anos, parece-me inevitável admitir as mudanças na minha vida de jogador. Não é tanto uma epifania de idade adulta quanto uma segunda puberdade, com uma série de dilemas interiores e não menos pressões exteriores, e com a diferença de que tenho … Continue a ler Gamer aos 30

Quanto vale um jogo?

Este é um dilema com que me tenho deparado a propósito de For Honor, um jogo bastante competente no que se propõe a fazer, mas pelo qual me custa pagar €70 – ou €69,99, para quem o troco de um cêntimo é coisa valiosa. A pergunta tem vindo a tornar-se cada vez mais familiar nos … Continue a ler Quanto vale um jogo?